Proteção anti plágio

26 de fev de 2011

Contraditório



Eai pessoas que eu amo muito( ou não ).
Espero que tenham gostado dos outros dois poemas, por favor, adoro receber opiniões, pode ser por aqui ou por msn, tanto faz.
-
A poesia a seguir eu estava por escrever há tempos, maas me faltava inspiração…
-
                                Contraditório
-
Minha inspiração agora
É estar sem ela
Pode soar até ironia
“Poetar” sobre a falta de idéias
-
É uma sensação de inutilidade
Por não conseguir escrever
Mas também de utilidade
“Algo que ninguém fez, estou a fazer”
-
Até parece engraçado
Dobrar uma folha na mão
Enquanto temo que pareça forçado
Escrever sem ter nenhuma emoção

-
Qaundo pensei nisso
Achei até meio loucura
Escrever sobre o sumisso
Da inspiração, que me dá desenvoltura…

Calmante não ingerível



Opa, tudo bem? Provavelmente vou postar com frrequencia, no início, pra ter conteudo no blog.
Agora vocês conhecerão( se lerem, é claro )o meu lado ideológico. hehe
Escrevi essa sentano no jardim do colégio.
-
                         Calmante não-ingerível
-
Caderno de poeta
Livro de poesia
Uma página aberta
Para a palavra que fluía
-
Escrever aleatoriedades
Um dicionário na ponta do grafite
Falar sobre insanidade?
Calmo demais para falar de chilique.
-
Uma brisa agradável
E esse sol insuportável
Me vou para a sombra
Desfrutar da calma que assombra
-
O barulho das folhas batendo
As vozes de pessoas conversando
O cheiro da comida aquecendo
e eu sigo aqui, com a natureza me tranquilizando
-
Não há nada a me incomodar
Ninguém a me chamar
Nenhum para desequilibrar
A sintonia que está a se formar
PS: eu não fumo nada

Contra o Tempo



Oiii pessoas que se prestaram pra ler este Blog de inutilidades poesias.
Meu nome é Victor, 12/07/1995, sou canceriano com ascendente em sagitário e lua em áries( isso pela astrologia antiga ), usarei este espaço principalmente para postar minhas poesias, mas também postarei outras coisas, e coisas que eu achar interessante.
Pra iniciar bem essa merda aqui, colocarei minha mais recente poesia.
                                               

                               Contra o tempo
-
Olho suas fotos e lembro
De que talvez não dê tempo
De passar um mágico momento
Como dói,o aperto no meu peito
-
Só um pouco mais de paciência
Poderia resolver
Essa interna divergência
Que, agora, nos faz sofrer
-
Carência, angústia, ansiedade
Juntas em uma só
Talvez isso seja da idade
Sorte que, adolescência, é uma só
-
Sentimento confuso
Não distingo a intensidade
Mas sei que é profundo
Mal sei o que fazer
Meu pensamento não sai da realidade
Em breve posso te perder
Quase ninguém entende, o tamanho da gravidade
-
Idéias vêm e vão
Mas nada se ajeitará
Se meu coração
Eu não acalmar
-
Estou aqui a mandar depoimentos apaixonados
Embora isso não faça nada mudar
É minha última tentativa de te convencer
A não me deixar de lado
-
Te amo, é a única coisa
Que consigo pensar
Não vá dessa forma,
é o que me faz chorar
-
Eu sei, nada vai se modificar
Mas tenho que desengasgar
Te perder assim é difícil de aceitar
E nada vai fazer isso mudar
-
Estou ficando sem palavras
Está difícil de expressar
O quanto quero te abraçar
Te sentir, te ver, enfim, te amar…

-

-
tá, essa coisa ficou enorme, mas mesmo assim, se lestes até aqui, não custa deixcar um comentário, uma dica, crítica, opinião, qualquer coisa